Autora: Erika Johansen
Número de Páginas: 352
Editora: Suma de Letras
Idioma: Português
Tradução: Cássio de Arantes Leite

Livro recebido de Cortesia do Grupo Companhia das Letras


Sinopse: Quando a rainha Elyssa morre, a princesa Kelsea é levada para um esconderijo, onde é criada em uma cabana isolada, longe das confusões políticas e da história infeliz de Tearling, o reino que está destinada a governar. Dezenove anos depois, os membros remanescentes da Guarda da Rainha aparecem para levar a princesa de volta ao trono – mas o que Kelsea descobre ao chegar é que a fortaleza real está cercada de inimigos e nobres corruptos que adorariam vê-la morta. Mesmo sendo a rainha de direito e estando de posse da safira Tear – uma joia de imenso poder –, Kelsea nunca se sentiu mais insegura e despreparada para governar. Em seu desespero para conseguir justiça para um povo oprimido há décadas, ela desperta a fúria da Rainha Vermelha, uma poderosa feiticeira que comanda o reino vizinho, Mortmesne. Mas Kelsea é determinada e se torna cada dia mais experiente em navegar as políticas perigosas da corte. Sua jornada para salvar o reino e se tornar a rainha que deseja ser está apenas começando. Muitos mistérios, intrigas e batalhas virão antes que seu governo se torne uma lenda... ou uma tragédia.

Eu comecei esse livro sabendo exatamente vários nadas sobre ele, com exceção da sinopse, que, para ser sincera, não me animou muito. Somando-se a isso, tinha a "comparação" na capa com a Katniss Everdeen, que apesar de ser uma personagem cuja importância eu reconheço, sempre achei bem chata. E volto a falar que esse tipo de comparação quase nunca gera um efeito positivo do meu ponto de vista. Ou ela é feita com um personagem/história que você não gosta e acaba tirando sua vontade de ler ou é com algo que você ama e pode fazer com que suas expectativas sejam direcionadas para uma direção errada. 

Mas mesmo assim, não sei bem o porquê, fiquei curiosa e resolvi dar uma chance...e minha gente, como eu AMEI esse livro! Eu não estava mesmo esperando tudo que ele me entregou. 
A história começa no dia em que a Guarda da Rainha vai buscar Kelsea para assumir seu lugar de direito como rainha no Reino de Tearling. Ainda bebê ela foi mandada para morar escondida em uma cabana com seus pais de criação e tutores, Carlin e Bartholemew Glynn, pois a vida junto de sua mãe, a Rainha Elyssa, já não era mais segura. 


Voltei gente (se ainda estiver alguém aí rs)!
Fiquei quase dois meses fora daqui e um pouco afastada da internet no geral por alguns motivos. Mas sinto tanta falta do blog e de acompanhar outros blogs, que mesmo que seja aos pouquinhos, vou tentar voltar 😊

Como tô meio enferrujada com as resenhas, resolvi (re)começar por um post de uns wallpapers lindinhos da Sailor Moon, espero que gostem 💗



Como é a semana de estreia de A Bela e A Fera, resolvi responder essa TAG que foi criada pela Melina Souza (veja aqui). 


1. Bela: um livro com a capa e com a história bonita



Suzy e as águas-vivas - Ali Benjamin (Resenha)


Eu adoro a arte e as cores dessa capa <3 E mesmo sendo um livro voltado para um público mais jovem, eu me emocionei muito com a história de Suzy, que trata de amizade, perda, auto-conhecimento e superação. Recomendo a leitura!




Capa do livro The Heart of Betrayal, publicado pela Darkside Books


Autora: Mary E. Pearson
Número de Páginas: 402
Editora: Darkside Books
Idioma: Português
Tradução: Ana Death Duarte





Essa resenha contém SPOILERS de The Kiss Of Deception (resenha aqui)


Sinopse: Em The Heart of Betrayal — Crônicas de Amor e Ódio v.2, Lia e Rafe estão presos no reino barbárico de Venda e têm poucas chances de escapar. Desesperado para salvar a vida da princesa, Kaden revelou ao Vendan Komizar que Lia tem um dom poderoso, fazendo crescer o interesse do Komizar por ela.
Enquanto isso, as linhas de amor e ódio vão se definindo. Todos mentiram. Rafe, Kaden e Lia esconderam segredos, mas a bondade ainda habita o coração até dos personagens mais sombrios. E os Vendans, que Lia sempre pensou serem selvagens, desconstroem os preconceitos da princesa, que agora cria uma aliança inesperada com eles. Lutando com sua alta educação, seu dom e sua percepção sobre si mesma, Lia precisa fazer escolhas poderosas que vão afetar profundamente sua família... e seu próprio destino.



A Andréia do Petit Andy me indicou para essa tag Tô respondendo super atrasada, desculpa :(
8 coisas para fazer antes de morrer

1 - Aprender outros idiomas além do inglês
2 - Conhecer o Japão
3 - Viajar bastante
4 - Escrever um livro (nunca tinha cogitado isso, mas ultimamente estou com vontade de criar uma história)
5 - Fazer uma tatuagem
6 - Cortar o cabelo bem curtinho (mais do que já cortei)
7 - Aprender a andar de bicicleta
8 - Ter um gato


Categorias:

3% (Filmow)

    Tinha ficado curiosa com essa série pela temática bem diferente do que costumamos encontrar em produções brasileiras e por ser produzida pelo Netflix, mas acabei não gostando. 
    Achei que ela é uma mistura de várias distopias que estão famosas no momento, mas isso nem foi meu problema principal, já que no geral essas histórias guardam muita semelhança entre si. A primeira grande falha, para mim, foi a falta de propaganda e divulgação da vida no Maralto. Eu acho que se você quer convencer alguém de que uma coisa é boa, tem que fazer muita propaganda nesse sentido. Ninguém sabia quem tinha passado ou não no Processo e o que acontecia depois disso. Eu pensaria que talvez esse Processo pudesse ter finalidades bem diversas das que eram divulgadas e poderia, por exemplo, ser uma forma de eliminar uma parte da população, já que o mundo estava em crise.
    Também não gostei nada das atuações, com exceção de algumas poucas. Talvez a culpa maior fosse do roteiro e das falas forçadas. Teve um dia que eu estava assistindo e minha irmã me perguntou por que eu estava vendo Malhação. 
    E por fim, os testes do processo não me convenceram nem um pouco. Tudo parecia uma grande entrevista de emprego com dinâmica em grupo e acho que para escolher as pessoas mais fodas da população, ia precisar de alguma coisa além disso. 

Jantar Secreto


Número de Páginas: 360
Editora: Companhia Das Letras
Autor: Raphael Montes






E eis que eu resolvi me aventurar de novo em um livro do Raphael Montes mesmo prometendo a mim mesma que não faria isso após as experiências não tão boas que tive anteriormente (minha opinião, a maioria das pessoas adora os livros dele). Mas como minha curiosidade é maior que tudo, principalmente se tratando de temas polêmicos, não resisti.